Nestlé lança vídeo bem-humorado para destacar importância dos primeiros 1.000 dias de vida

Stand-up” com plateia formada por crianças traduz de forma divertida a importância do aleitamento materno e da alimentação adequada nesta fase da vida

São Paulo, agosto de 2015 – Comprometida em colaborar com a formação de gerações futuras mais saudáveis, a Nestlé acaba de lançar um vídeo para lembrar papais e mamães sobre a importância dos Primeiros 1.000 dias de vida. Com boa dose de humor e informação, o vídeo reforça que uma alimentação saudável e balanceada é a chave para o desenvolvimento dos pequenos durante o período que vai desde o início da gravidez até os dois anos de idade.

No formato de um “stand-up”, a mãe, o pai e a pediatra alertam sobre a importância do aleitamento materno, o valor da introdução de novos alimentos a partir do sexto mês de vida e da visita regular ao pediatra. Os bebês na plateia agem de acordo com a mensagem – batendo palmas, surpresos e rindo – interagindo com os interlocutores no palco.

O vídeo está disponível na plataforma digital Nestlé Começar Saudável, que também traz uma série de informações e dicas sobre cada etapa da vida das crianças em relação à nutrição infantil. A plataforma conta com o Site Começar Saudável (www.comecarsaudavel.com.br); o Blog Vida de Mãe, hospedado no site Começar Saudável; Fanpage no Facebook (www.facebook.com/NestleComecarSaudavel); canal no Youtube (www.youtube.com/comecarsaudavel) e no Instagram Nestlé Começar Saudável (https://instagram.com/nestlecomecarsaudavel).

Assista ao vídeo da campanha: https://www.youtube.com/watch?v=Lv3Qv2mfKDM

Nestlé e a nutrição infantil

A história da Nestlé teve início na preocupação com a nutrição infantil. Tudo começou em 1866, quando o farmacêutico Henri Nestlé, observando os altos índices de mortalidade infantil da época, desenvolveu um produto alimentar eficaz na nutrição de crianças nos primeiros meses de vida. Surgia então a Farinha Láctea Nestlé®, o primeiro alimento criado especialmente para crianças, com o propósito de combater a desnutrição. Hoje, considerada a maior empresa mundial de nutrição, saúde e bem estar, a Nestlé continua investindo no desenvolvimento de produtos que garantam uma alimentação saudável, balanceada e completa às necessidades nutritivas das crianças. Para isso, trabalha no aperfeiçoamento contínuo de seu portfólio, que inclui uma ampla gama produtos para atender às diferentes fases dos primeiros anos de vida, porque os primeiros 1.000 dias de vida são únicos para o crescimento e desenvolvimento infantil.

NOTA IMPORTANTE: O aleitamento materno é a melhor opção para a alimentação do lactente proporcionando não somente benefícios nutricionais e de proteção, como também afetivos. É fundamental que a gestante e a nutriz tenham uma alimentação equilibrada durante a gestação e amamentação. O aleitamento materno deve ser exclusivo até o sexto mês e a partir desse momento deve-se iniciar a alimentação complementar mantendo o aleitamento materno até os dois anos de idade ou mais. O uso de mamadeiras, bicos e chupetas deve ser desencorajado, pois pode prejudicar o aleitamento materno e dificultar o retorno à amamentação. No caso de utilização de outros alimentos ou substitutos do leite materno, devem seguir rigorosamente as instruções de preparo para garantir a adequada higienização de utensílios e objetos utilizados pelo lactente, para evitar prejuízos à saúde. A mãe deve estar ciente das implicações econômicas e sociais do não aleitamento ao seio. Para uma alimentação exclusiva com mamadeira será necessária mais de uma lata de produto por semana, aumentando os custos no orçamento familiar. Deve-se lembrar à mãe que o leite materno não é somente o melhor, mas também o mais econômico alimento para o bebê. A saúde do lactente pode ser prejudicada quando alimentos artificiais são utilizados desnecessária ou inadequadamente. É importante que a família tenha uma alimentação equilibrada e que, no momento da introdução de alimentos complementares na dieta da criança ou do lactente, respeitem-se os hábitos culturais e que a criança seja orientada a ter escolhas alimentares saudáveis. Em conformidade com a Lei 11265/06; Resolução Anvisa nº 222/02; OMS – Código Internacional de Comercialização dos Substitutos do Leite Materno (Resolução WHA 34:22, maio de 1981): e Portaria M.S nº 2051 de 08 de novembro de 2001.“