Papel de organizações públicas e privadas no desenvolvimento social é destaque no Fórum Global de Criação de Valor Compartilhado

A quinta edição do Fórum Nestlé Criação de Valor Compartilhado terminou depois de um dia de intenso de debate sobre o papel das empresas na promoção do desenvolvimento. O evento foi aberto pelo presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos e a primeira-dama , María Clemencia Rodríguez de Santos e reuniu líderes e empresários da América Latina com mais de 20 especialistas internacionais do governo, da academia e da sociedade civil.

O Fórum aconteceu em um importante contexto mundial, de rápido crescimento populacional, insegurança alimentar e riscos para a saúde, como desnutrição, sobrepeso e obesidade, além de aspectos de competição por água e grandes desafios para o desenvolvimento da agricultura nas economias emergentes.

Durante o painel “Os desafios sobre a subnutrição nas Américas”, o diretor-executivo da Nestlé, Paul Bulcke, destacou a importância da conscientizar a população. “A chave de uma boa alimentação está na mudança de comportamento e no entendimento das pessoas, especialmente das famílias, sobre o tema”, afirmou. “Estamos trabalhando e introduzindo recursos para resolver o problema da desnutrição, pois queremos fazer parte dessa solução.”

Durante as discussões a respeito do desenvolvimento rural, a criação de valor compartilhado no campo foi destacada por Robert L. Thompson, da Universidade de Illinois. “O grande desafio hoje é produzir alimentos sem comprometer o meio ambiente e é possível produzir mais comida usando menos terra e menos água com o uso de tecnologia de ponta na agricultura”, reforçou o professor.

“A melhor maneira de contribuir para a sociedade é fazendo negócios que a envolvam”, disse Peter Brabeck-Letmathe, presidente do Conselho de Administração da Nestlé S.A, em sua participação no painel “Criação de Valor Compartilhado: a evolução das empresas no desenvolvimento”. De acordo com o executivo, a Nestlé cria valor compartilhado na área rural, por exemplo, compartilhando melhores práticas com pequenos produtores e fazendeiros nos mercados onde atua.

Para Michael Porter, de Harvard, as escolas de negócios devem repensar seu modelo de ensino. “É preciso incluir no currículo matérias que abordem temas como a atuação de uma empresa situada próxima a uma população de baixa renda”, comentou.

Cerca de 350 convidados participaram do encontro, que teve transmissão ao vivo via webcast. Os participantes de todo o mundo puderam fazer perguntas aos palestrantes.