Back to all stories
2 minutes read

Exercícios físicos e a ingestão de alimentos certos nas porções corretas não podem mais ser considerados os únicos fatores ligados à perda de peso. A atividade celular do corpo pode afetar os resultados dessa perda ou como o corpo responde a certos alimentos.

A evolução da ciência por trás da perda de peso

Exercícios físicos e a ingestão de alimentos certos nas porções corretas não podem mais ser considerados os únicos fatores ligados à perda de peso. A atividade celular do corpo pode afetar os resultados dessa perda ou como o corpo responde a certos alimentos.

Por que algumas pessoas perdem peso com mais facilidade do que outras?

No Nestlé Institute of Health Sciences, uma equipe está estudando a perda de peso em nível molecular: como o corpo metaboliza os alimentos? Por que algumas pessoas perdem peso com mais facilidade do que outras? Por que algumas pessoas mantêm a perda de peso e outras não? E por que a perda de peso ajuda a prevenir o diabetes em algumas pessoas, mas em outras não?

Mitocôndria  

Cada vez mais se descobre que o corpo de cada pessoa se comporta de forma diferente. Enquanto existem abordagens básicas que todos, outras, mais individuais, podem ser usadas para melhorar a saúde. A pesquisa quer ajudar as pessoas a entenderem seu metabolismo e suas necessidades nutricionais específicas.

A pesquisa está ajudando a Nestlé a entender como produtos nutricionais personalizados podem remodelar a forma como se olha para a saúde. A perda de peso é apenas uma parte do quebra-cabeça.

Veja as novidades trazidas pela pesquisa

Melhorar os efeitos dos exercícios físicos

Entre as descobertas está a possibilidade de criar soluções nutricionais customizadas por meio do estudo das mitocôndrias, responsáveis por converter os alimentos em energia. A pesquisa procura formas de torná-las mais eficientes, ajudando as mitocôndrias a agrupar suas proteínas para capturar os efeitos dos exercícios físicos.

Acelerar o metabolismo

Outro ponto do estudo aponta para os efeitos de uma enzima chamada AMPK, que ajuda os músculos a transformarem a glicose e a gordura em energia. As equipes de pesquisa descobriram que essa enzima pode ser controlada, levando mais glicose do sangue para os músculos e aumentando a quantidade de gordura transformada em energia.

A meta é conseguir desenvolver produtos que acelerem os efeitos dessa enzima para aumentar o metabolismo. Essa inovação ajudaria pessoas com condições crônicas, como obesidade ou diabetes tipo 2 que não podem se exercitar regularmente, ou aquelas que estão se recuperando de alguma lesão que limita sua atividade física.

Um tipo diferente de impressão digital

Para pessoas pré-diabéticas e com sobrepeso, a perda de peso é considerada um tratamento preventivo do desenvolvimento para a diabetes tipo 2. Contudo, isso nem sempre ocorre.

Estudos identificaram certos marcadores sanguíneos, também chamados de “impressão digital lipídica”, que podem começar a diferenciar pessoas pré-diabéticas que têm a probabilidade de responder à perda de peso com melhor controle de açúcar, tendo mais sucesso na prevenção do diabetes tipo 2.

Essa impressão digital apresenta, também chamado “biomarcador”, permite aos profissionais da saúde saber quais pacientes responderão ou não ao melhor controle de açúcar após a perda de peso. Isso pode ajuda-los a escolher o caminho nutricional individual mais adequado para a situação do paciente.